O mundo realmente está envelhecendo, e isso é muito bom. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), até 2050 chegaremos a 2 bilhões de pessoas acima dos 60 anos, superando os 841 milhões atuais.

O Brasil acompanhará essa transformação. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) prevê  66,5 milhões de idosos em 2050, triplicando os 19,6 milhões de 2010.

Contudo, o desafio de garantir a qualidade de vida desse grupo, tem sido cada vez mais de extrema importância.

Alguns dos fatores que podem contribuir para a longevidade são as campanhas de vacinação para idosos, a fim de evitar doenças e prevenir casos de mortalidade.

É necessário começar por uma mudança de paradigmas, visto que ainda temos a noção de que a vacinação deve ocorrer apenas na infância. Muitas pessoas acreditam que depois de adultas não precisam se vacinar porque o sistema imunológico está fortalecido, e isso é mentira.

Adultos e adolescentes, por exemplo, costumam se vacinar apenas quando há algum caso e surto específico, e não adotam a vacina como medida preventiva.

No caso dos idosos, a perspectiva atual é ainda mais preocupante, pois muitos acreditam que devem apenas se vacinar contra a gripe. Isso também não é verdade.

Na velhice, o sistema imunológico tende a ficar mais enfraquecido. A negligência da vacinação nessa fase, portanto, acaba levando o idoso a estar mais suscetível a riscos de doenças que podem ser prevenidas através da vacinação. Essa atitude acelera o quadro de agravamento de doenças provocando situações crônicas que podem levar à morte.

Quem se vacina, se protege. Além disso, a vacina contribui para a redução da circulação de bactérias e vírus no ambiente, ajudando a sociedade como um todo.

Nesse artigo, vamos elencar as principais vacinas oferecidas para a terceira idade, e que devem ser tomadas para garantir a longevidade dessa e de futuras gerações.

 

 

Vacinas Terceira Idade, questão de segurança

Uma perspectiva se difundiu no Brasil nas últimas décadas: a de que as vacinas causam danos ao organismo. Essa é uma das mentiras que precisa ser esclarecida.

Os testes realizados em laboratório cumprem diversas etapas para a garantia da eficácia da vacina, a ponto de não causar danos ao organismo.

Uma vez que ela chega à população, após uma bateria de testes, as reações são monitoradas a fim de garantir que ela não causará problemas, e a comercialização é interrompida imediatamente caso ocorram já nos primeiros casos.

Portanto, fique tranquilo quanto a isso e evite acreditar e conversas que circulam sem nenhum embasamento. Na dúvida, procure um médico.

Vacinas Terceira Idade, quais tomar?

O SUS (Sistema Único de Saúde) oferece mais de 300 milhões de doses que combatem mais de 20 doenças. 

Veja as vacinas para a terceira idade que são oferecidas gratuitamente pelo órgão para as pessoas com mais de 60 anos.

Vacina Terceira Idade Hepatite B

Essa vacina é oferecida pelo SUS e administrada em três doses intervaladas. Tomando uma dose hoje, a segunda deverá ser tomada após 30 dias e a terceira após 6 meses  (0, 1 e 6 meses). 

Caso o idoso já tenha tomado alguma dose, receberá apenas as que faltam para completar esse ciclo.

 

+ Veja também: Terceira idade: Acessibilidade no Turismo

 

Vacina Terceira Idade  Difteria e tétano (duplo adulto)

Para o combate dessas doenças também há um esquema de três doses precisando de reforço a cada 10 anos.

Vacina Terceira Idade Febre Amarela

Para a vacina de Febre Amarela, é preciso haver uma análise que o médico fará com cada idoso, avaliando o custo benefício considerando o risco de contágio da doença entre outros fatores.

Vacina Terceira Idade contra a Influenza ou Gripe

Recomendada uma vacinação anual.

Vacina Terceira Idade pneumocócica 23-valente, Pneumonia

Essa é uma vacina oferecida na Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, especialmente para idosos que vivem em instituições como casas de repouso ou hospitais.

Os idosos que já receberam duas doses de polissacarídea 23 – valente (VPP23), podem tomar uma conjugada de 13-valente em um intervalo mínimo de 1 ano após a última dose de VPP23. Em casos nos quais a segunda dose de VPP23 foi tomada antes dos 65, é recomendado uma terceira dose com intervalo de 5 anos após a última dose.

Vacina Terceira Idade Herpes Zoster

Para pacientes com mais de 50 anos em dose única. Trata-se de uma doença que é resultado de uma reativação do vírus da catapora. 

A Herpes Zoster tem sido associada à depressão devido ao incômodo que ela causa.

 

Conclusão

Como vimos, vacinação é realmente uma coisa séria. Especialmente na terceira idade.

Se você tem um idoso na família oriente-o a se vacinar, e se ele precisar de cuidados, acompanhe-o para garantir que ele esteja cuidando adequadamente de sua saúde. Mantenha a carteira de vacinação em dia  e esteja atento ao calendário de vacinação.

Na dúvida, consulte o guia de vacinação da geriatria aqui.